Ainda não faço ideia de pra onde estou indo. Só preciso que seja pra longe de você.

Um dia percebi que passaria a vida buscando ser feliz no final sem ser feliz. Percebi que você não era o amor da minha vida. Você mal era amor. E essa já nem era a minha vida.

walking away from you
Photo by André Thomas Weller on Unsplash

Sempre tive essa sensação… de que meu amor passaria por mim e por qualquer motivo ou distração, não me veria. Nossos sorrisos cruzariam quando já houvesse distância demais para uma loucura qualquer. Mas nós dois entenderíamos que nossa vida agora não poderia mais ser a mesma. Passaríamos o resto dos nossos dias procurando em um qualquer o brilho de nós dois.

Veria defeitos em todos. Simplesmente por não ser você. Estaria fadada a decepções e corações partidos deixados pelo meu caminho de busca enlouquecida por um sorriso.
Na cegueira da minha teimosia em acreditar em contos de fada, e amores perfeitos de comédia romântica acreditei que seria capaz de amar apenas uma vez. Teria apenas uma chance de ser feliz para sempre.
Nossos olhos se cruzaram em um domingo qualquer e se perderam, como eu previa.
Quis o destino que meu caminho de busca por seu sorriso fosse curto e em pouco tempo nossos olhos se cruzaram novamente.
Enfim, eu encontrei o amor da minha vida. Enfim, eu tinha a minha chance. Agarrei o meu final feliz com unhas e dentes. Lutei contra a realidade cruel dos seus defeitos. Me ceguei. Me puni. Acreditei não ser merecedora do seu amor e me fiz melhor. Moldei todos os meus cantos e arestas. Lapidei minha personalidade com tanto afinco que nem sabia mais quem eu era. Não importava. Eu seria feliz para sempre. Aquela era minha chance. Aquele era o meu amor. O único. Não podia deixá-lo partir só por que eu não era perfeita.
Você não se esforçou tanto quanto eu e precisei amar por nós dois.
Sonhei seus sonhos e trabalhei dia e noite pra te fazer feliz.
Mas você não era feliz. E o conto de fadas que eu vivia era ruim. E amar sozinha é a antítese do amor.
Um dia percebi que passaria a vida buscando ser feliz no final sem ser feliz.
Percebi que você não era o amor da minha vida. Você mal era amor. E essa já nem era a minha vida.
Nada além da minha teimosia e determinação em fazer acontecer a minha ideia romântica de amores que se cruzam, de olhares e sorrisos.
Descobri que você não era um principe e eu não era princesa. E nosso castelo era feito de mentiras.
Tirei a minha coroa de papelão, rasguei o vestido e fui andando.
Perdi meu medo de escuro.
Perdi seus sonhos pelo caminho.
Encontrei pedaços de mim perdidos por tantos beijos e descobri tantos amores que mal cabiam no peito.
Ainda não sei muito bem quem sou.
Ainda não faço ideia de pra onde estou indo. Só preciso que seja pra longe de você.

Clara é escritora, divorciada, mãe, apaixonada, feliz. O seu maior prazer é deixar as palavras brincarem na sua cabeça e assumirem o controle. Recomeça todos os dias, se equilibrando em mágoas e amores.