Bonita e gostosa!

Você está largada no sofá no maior bode: levou um fora, perdeu o emprego, brigou com a família, precisou sacrificar seu cachorro, tanto faz o motivo, o fato é que você está triste. Aí alguém aparece do nada (na TV, no rádio, na sua porta, ao celular) e tem o desplante de te mandar pôr uma música bem alegre e sair dançando pela sala: “Faça isso e você se sentirá outra!”

bonitaegostosa

Conselhos, via de regra, são inúteis (sobretudo os desta escriba), mas há alguns que ultrapassam a inutilidade e chegam a irritar. Você está largada no sofá no maior bode: levou um fora, perdeu o emprego, brigou com a família, precisou sacrificar seu cachorro, tanto faz o motivo, o fato é que você está triste. Aí alguém aparece do nada (na TV, no rádio, na sua porta, ao celular) e tem o desplante de te mandar pôr uma música bem alegre e sair dançando pela sala: “Faça isso e você se sentirá outra!”

Ô cara-pálida, desde quando quem está triste vai ter ânimo para colocar um sambão e sair se sacolejando por aí? É o humor do momento que dita a música, não o contrário. Quando estou triste – viva o nosso direito ao mau humor, à tristeza e a passar uns dias na caverna – eu coloco uma música tão triste quanto, choro, me encolho, deságuo, uivo, e, aí sim, vai entender por quê, eu melhoro. Você assistiu ao filme Magnólia? Para mim, o CD com a trilha sonora do filme é puro dreno de dor: coloco e choro, choro até ficar com dó de mim (sem calmante, excitante e um bocado de gim). Uma hora depois, eu me ergo. Mas alto lá: nada que chegue ao ponto de sair, na sequência, dançando B-52’s!

Agora, quando você está numa boa, ouvir uma canção alegre é um tremendo prazer! Incluí “Perigosa” das Frenéticas na trilha sonora das minhas caminhadas.

“Perigosa”, você conhece: se fosse um campeonato, seria o ultimate fight de autoconfiança feminina. Essa letra é mil vezes mais eficiente do que qualquer livro de autoajuda: claro que, também como qualquer livro de autoajuda, não funciona quando você está no fundo do poço (aquele lugar infecto em que só cabe uma pessoa, às vezes meia). Enfim, as Frenéticas acertaram na pupila da mosca quando gravaram essa canção de Rita Lee, Roberto de Carvalho e Nelson Motta.

Para não dizer que estou exagerando, experimente cantarolá-la agora em pensamento (se você estiver legal) e depois saia por aí com o nariz mais empinado que foca de circo. Preparada?

“Eu sei que eu sou bonita e gostosa e sei que você me olha e me quer, eu sou uma fera de pele macia, cuidado, garoto: eu sou perigosa! Eu tenho um veneno no doce da boca, eu tenho um demônio guardado no peito, eu tenho uma faca no brilho dos olhos, eu tenho uma louca dentro de mim! (…) Eu posso te dar um pouco de fogo, eu posso prender você, meu escravo, eu faço você feliz e sem medo, eu vou fazer você ficar louco, muito louco, muito loucooooo: dentro de mim! Muito louco, louco dentro de mim!”

Yeah!!!

Stella Florence é escritora, autora dos sucessos "Loucura de Estimação", “Os Indecentes”, "Eu me possuo" entre outros livros que tratam do universo feminino. Stella é cronista veterana e parceira do Exnap! www.stellaflorence.net