Ciúme

Capítulo 32 - O diabo que te carregue!

1551306241_a22b5e1135_o

Você ainda está casada e vai ao teatro com o seu marido. Durante a peça, você percebe que ele não tira os olhos de uma específica área do palco, mesmo que a ação principal se desenrole em outra parte. Você estranha sua atitude, aguça os sentidos e descobre: seu marido não tira os olhos de uma certa figurante, menina insípida, loira aguada, de vinte e poucos anos.

Ao terminar a peça, você vai ao banheiro e, quando volta, não vê seu marido no hall, onde ele deveria estar te esperando. Talvez ele também tenha ido ao banheiro, mas você decide que não vai esperar.

Você sacode os cabelos e sai em seu encalço pelo teatro já meio deserto. Sem pudor vai entrando na coxia e encontra, num canto mal iluminado, seu marido beijando a tal menina insípida, loira aguada, de vinte e poucos anos.

Você estanca um momento. É o susto. Depois, cega por uma rubra substância fluídica mais conhecida como ciúme, você investe contra o casal a sopapos e pontapés. Consegue acertar um tapa fenomenal bem no meio da cara da tal menina insípida, loira aguada, de vinte e poucos anos.

Entre imprecações e xingamentos, você desanca seu marido, seu casamento, todos os casamentos, a insípida loira aguada de vinte e poucos anos, todas as insípidas loiras aguadas de vinte e poucos anos e, de quebra, a classe teatral do planeta.

Seu marido a arrasta para fora e te coloca dentro do carro, não sem levar ele próprio uns ardidos safanões e unhadas. No meio daquele fuzuê, as rodas do seu carro se travam numa grande avenida, seu marido não consegue retomar o controle do carro que atravessa a pista e se incrusta num muro.

Zonza, sangrando profusamente na testa e com fratura exposta na perna direita, você continua a xingar e bater no seu marido que, desmaiado, não te escuta mais. Então você acorda. Sim, era um pesadelo. Mas de modo algum um pesadelo qualquer.

Você, pretensamente, pensou que alcançara aquele ponto civilizado no qual já é possível até jantar com a atual namorada do seu ex. Mas um sonho, um pesadelo, te mostrou o quanto você está fingindo, o quanto quer acreditar que isso não te incomoda.

Sua civilidade é mentira. Mentira. Mais uma vez: o ciúme e o desconforto podem ser ridículos, podem ser desproporcionais, podem ser injustos e fora de propósito, mas eles são seus. É o que você está sentindo, é a resposta emocional que você consegue ter agora. São sentimentos legítimos, tão legítimos quanto a compaixão por um recém-nascido abandonado num banheiro público.

Você se senta na cama, acende a luz e sente as mãos ainda tremerem como se você realmente tivesse descontado sua raiva no seu ex de maneira física e verbal. E agora, menina? O que você faz com essa batata quente nas mãos? Ligar no meio da madrugada para o seu ex e cobrar essa conta – que é sua – não faz o menor sentido. No entanto, ignorar seus sentimentos também não parece ser a melhor coisa a fazer.

Dois dias se passam – e o sonho ainda te incomoda, tão intenso foi. Ao encontrar seu ex no vai e vem das crianças, você pede a ele cinco minutos. Ele estranha, mas prontamente concede. Na sala, você respira fundo e diz:

– Olha, tem um lado meu que aceita bem você estar namorando, mas tem outro lado que se incomoda. É meio esquisito ver alguém que até tão pouco tempo era meu, sendo de outra, dá para entender?

– Dá, sim.

– Eu só queria te pedir, então, que você continue sendo discreto quanto ao que você faz da sua vida amorosa, porque para mim ainda é estranho isso tudo. Deixa eu ir me acostumando aos poucos com essa situação nova, tá bom?

Seu ex permanece alguns instantes em silêncio, olhando para o carpete. Por fim, pigarreia e arremata:

– Também não é fácil para mim saber que você está procurando um namorado pela Internet.

Pois é. Transição é um pântano movediço cuja única corda de segurança disponível é uma conversa franca. Uma conversa franca a cada dia.

 

 

 

 

Leia os capítulos anteriores do livro “O Diabo que te Carregue”

 

 

Clique aqui para ler o capítulo 31

Clique aqui para ler o capítulo 30

Clique aqui para ler o capítulo 29

Clique aqui para ler o capítulo 28

Clique aqui para ler o capítulo 27

Clique aqui para ler o capítulo 26

Clique aqui para ler o capítulo 25

Clique aqui para ler o capítulo 24

Clique aqui para ler o capítulo 23

Clique aqui para ler o capítulo 22

Clique aqui para ler o capítulo 21

Clique aqui para ler o capítulo 20

Clique aqui para ler o capítulo 19

Clique aqui para ler o capítulo 18

Clique aqui para ler o capítulo 17

Clique aqui para ler o capítulo 16

Clique aqui para ler o capítulo 15

Clique aqui para ler o capítulo 14

Clique aqui para ler o capítulo 13

Clique aqui para ler o capítulo 12

Clique aqui para ler o capítulo 11

Clique aqui para ler o capítulo 10

Clique aqui para ler o capítulo 9

Clique aqui para ler o capítulo 8 

Clique aqui para ler o capítulo 7

Clique aqui para ler o capítulo 6

Clique aqui para ler o capítulo 5

Clique aqui para ler o capítulo 4

Clique aqui para ler o capítulo 3

Clique aqui para ler o capítulo 2

Clique aqui para ler o capítulo 1

Clique aqui para ler a abertura

 

Siga Stella Florence também no

Twitter @Stella_Florence e no blog  www.stellaflorence.net

Fanpage: facebook.com/escritora.stellaflorence/
Instagram: @escritora.stellaflorence

YouTube: https://www.youtube.com/user/stellaflorencewriter

**Esse conteúdo foi originalmente publicado no livro: O Diabo que te Carregue, da autoria de Stella Florence e foi reproduzido aqui com a devida autorização e revisão da autora.

Stella Florence é escritora, autora dos sucessos "Loucura de Estimação", “Os Indecentes”, "Eu me possuo" entre outros livros que tratam do universo feminino. Stella é cronista veterana e parceira do Exnap! www.stellaflorence.net