Dá pra ser amiga do ex?

Acho possível. Acho ideal. Acho maduro e muito importante. Acho lindo. Forte. Corajoso e realmente incrível. Só não acho que eu consiga. Não agora.

bench-man-person-night

Nesse momento, depois de ter tido todas as minhas energias drenadas por mais uma torturante sessão de presença dele por longos e abismais 60 minutos, eu diria. NÃO! Nunca, de jeito nenhum, nem em um milhão de anos.
Ou a resposta seria um inquisitivo e assustado: ficou louca???
Mas eu teimo, por que sou teimosa por natureza, senão não teria ficado com ele apesar de todos os “apesares”. Teimo em acreditar ser possível. Teimo em tentar.
Pelo passado, pelos filhos, pelo que um dia uniu duas pessoas tão pouco prováveis. Hoje eu vejo que somos muito diferentes e que essa história de que opostos se atraem é uma das muitas ironias da vida.
Se atraem e si distraem. No máximo! Mas dependendo do motivo das polaridades serem opostas, não dá liga. Fica sempre faltando uma conexão.
E as coisas desandam. Éramos opostos em polos tão distantes, que, se tirássemos o muito amor que existia, nada mais funcionava. Tanto que, quando o amor deu uma bobeada, uma leve fraquejada, tudo saiu da linha. E desmoronou.
A base era forte, mas era toda baseada em um alicerce apenas. E amor é um material raríssimo. O mais duro, forte e seguro de todos. Mas se falta um pouco, se não for adicionado e dividido de forma igual, ele
simplesmente perde a função de segurar a casa. Lógico que aos poucos construímos outros pilares. Filhos, famílias, bens, planos, passado. Mas nada, nada segura em pé uma casa sem amor.
Enfim. Acabou.
Agora temos essa ruína toda entre a gente. Concorda que fica difícil passar por cima dela em nome de uma boa relação de convivência?
Mas e então? É possível ser amiga do ex?
Não sei. De verdade.
Eu não seria sua amiga se não fosse sua ex. Ele é pesado. É passado. É ferida quase cicatrizada. E não me parece saudável e tampouco recomendado ficar tirando a casquinha da ferida o tempo todo. Sua presença ainda inflama as minhas mágoas.
Mas teimo. Como teimei que a casa poderia ficar erguida só com o meu amor.
Acho possível. Acho ideal. Acho maduro e muito importante. Acho lindo. Forte. Corajoso e realmente incrível.
Só não acho que eu consiga. Não agora.
Agora ele ainda me incomoda. Me tira do sério. Me desgasta. Me irrita. Traz o pior de mim.
Um dia. Quem sabe
Sou teimosa.

Siga Clara Stark também no facebook.com/sempreclara/

 

Photo via Visualhunt.com

Clara é escritora, divorciada, mãe, apaixonada, feliz. O seu maior prazer é deixar as palavras brincarem na sua cabeça e assumirem o controle. Recomeça todos os dias, se equilibrando em mágoas e amores.