Decepcionou-se? Ótimo!

Decepcionou? Libera, sinta, se dê conta que você é um ser humano que pode falhar, que tem a possibilidade de resignificar o que viveu, soltar ou se manter preso mais um tempo, ou mesmo por muito tempo.

image

Todo mundo passa um dia por uma bela decepção, seja amorosa, profissional, ou em qualquer área da vida. A primeira reação normalmente é ficar com raiva, se achar um idiota, se sentir enganado, colocar a culpa em fulano, relembrar cenas em que você deveria ter percebido, imaginar o que falaria se soubesse, ignorar o outro e até pensar numa vingança. Na verdade cada um vai ter uma reação “maior” ou “menor” de acordo com a situação.
Mas uma coisa é certa, ninguém escapa de uma bela decepção. E na verdade porque ela ocorre? Todos têm cantos escuros, aqueles onde a luz ainda não está entrando, digo ainda porque é possível que entre. Lugar algum permanece na escuridão se você colocar a consciência, buscar e investigar. Pode demorar um tempo, ou muito tempo, mas uma hora as coisas vão se tornando mais e mais claras. É como descascar uma cebola. Somos feitos de muitas camadas, das superficiais e mais aparentes às mais profundas e nebulosas. Para alguns isso não tem novidade, sabem que depois de algo resolvido outros aspectos aparecerão.
Quanto mais o tempo passa e você se empenha, mais saberá que tem momentos em que uma parada é necessária, um grito, um choro intenso, um desabafo de alguma forma. É muito comum colocar a culpa em alguém, mesmo que esse alguém seja você. Nem preciso dizer que esse não é o melhor caminho. Afinal as decepções acontecem porque não percebemos a situação, as pessoas envolvidas, os fatos de forma real, como eram. Aquela nossa partezinha mais escurecida não tem olhos, não capta de forma clara. Na verdade criamos as ilusões e acreditamos que são verdades, que nossos olhos e percepções estão certos. Essas “fantasias” se misturam com a realidade.
A lente pela qual se olha distorce o que está sendo visto. Assim como ao colocar os óculos escuros a luminosidade diminui. Com as distorções vão sendo criadas as crenças, aquelas que vêm e você nem sabe de onde, que podem também coincidir com os ditados populares: “dinheiro não da em árvore”, “mulher/homem não presta”, “eu não mereço tudo isso”, e muitas outras.
A cada decepção você reafirma sua crença, a menos que olhe bem para a sua parte em tudo isso. As situações sempre vão ter seu ponto cego, e os motoristas sabem bem o que é isso. Aquele pequeno espaço onde sua visão não alcança, a menos que você se movimente para mudar o ângulo. A cada movimento diferente você cria novas possibilidades, e são elas que dão o colorido à sua vida, a sensação de superação, de acreditar que tudo passa, que as flores vão nascer, que o dia vai começar e terminar mais uma vez, que num piscar de olhos tem situações acontecendo de outras formas e isso pode fazer toda a diferença.
Decepcionou? Libera, sinta, se dê conta que você é um ser humano que pode falhar, que tem a possibilidade de resignificar o que viveu, soltar ou se manter preso mais um tempo, ou mesmo por muito tempo. Cabe a você não deixar o poder nas mãos alheias, ele é seu! É o seu poder de ser feliz, de sentir a vida na sua melhor versão, com pessoas que valem à pena ao seu lado, de maneiras surpreendentes, mesmo no dia a dia. Gaste sua energia com o que te enobrece!

*Imagem  VisualHunt

** Clique no perfil da autora para visualizar outros textos. Boa leitura!!!

Mônica é psicóloga, buscadora, cinéfila, apaixonada pela vida e pela natureza, estudiosa do ser humano e das suas idiossincrasias. monicaloureiro@yahoo.com