DESABAFO DO LEITOR 3 - UMA CARTA INFANTIL AO INFANTIL DO MEU EX

Você foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. (Repito) Eu não te quero de volta. De jeito nenhum!!! Não me entenda mal!!! Peloamordedeus!!!!!!! Você até foi um grande amor e eu te amei de verdade. Por muito tempo. E até foi bom. Mas NÃO!!!! Eu definitivamente não te quero de volta. E não baseio minha decisão na sua velhice ou nessa camada de gordura que está se sedimentando em volta da sua barriga. Digo isso, porque, sobreviver a você foi a coisa mais sensacional que já fiz.

Querido…  (risca isso)
Caro… (xi! Piorou!)

Sei lá como eu te chamo… fica feio te chamar de filhodaputa assim logo no início da carta, né?! Até porque estou em um movimento de desapego. E uma das primeiras coisas que quero desapegar é da coleção de palavrões que deixo guardada no meu cérebro, só para falar de você.

Então vou te chamar de…
Nada. Pronto. Decidido. Então vamos lá…

Nada,
Antes de qualquer coisa…
Você está velho. Só queria te contar. Acho que você já sabe, mas se não percebeu (vai que você perdeu sua mania por espelhos e não tem se visto em um nos últimos anos…) eu te falo: você está velho. Velho mesmo. Não velho só na alma, por que isso você sempre foi. Sua bochecha está flácida, tem aquela linha na testa que te dá sempre cara de “saco cheio” e os poucos cabelos que restaram mereciam receber um prêmio.

Ah! Você também está gordo! E sabe o que é melhor? Eu não!!!!!!!

Bom. Chega de falar de você. Essa cartinha é para falar de mim.

Eu decidi que você foi a melhor coisa que já me aconteceu. Não, eu não fiquei doida. (Ou mais doida, porque sã eu também nunca fui.)
Você foi a melhor coisa que aconteceu na minha vida. (Repito)

Eu não te quero de volta. De jeito nenhum!!! Não me entenda mal!!! Peloamordedeus!!!!!!! Você até foi um grande amor e eu te amei de verdade. Por muito tempo. E até foi bom. Mas NÃO!!!! Eu definitivamente não te quero de volta. E não baseio minha decisão na sua velhice ou nessa camada de gordura que está se sedimentando em volta da sua barriga. Digo isso, porque, sobreviver a você foi a coisa mais sensacional que já fiz.

Eu sobrevivi a você!!!!! À saudade que eu senti no início, à mágoa pela forma como tudo aconteceu, às suas amantes, às suas mentiras… mas principalmente: eu sobrevivi à sua velhice, à sua chatice, sua mania de espalhar roupa suja pelo chão e aos puns debaixo do cobertor. Ao excesso de perfume usado para mascarar a sua preguiça de tomar banho. Ao egoísmo, às grosserias, sua capacidade de me fazer sentir um nada. Ou pior. À sua mania de me fazer sentir especial por algum tempo e depois tirar o tapete e me deixar cair num buraco de auto estima que me fazia sentir compatível com o tal cocô do cavalo do bandido. (Ou ao cocô da mosca do cocô do cavalo do bandido!)

Olha eu falando de você de novo. Foi mal.
Voltarei ao meu ponto.

Obrigada!
Muito obrigada mesmo! Agradeça à sua amante por mim. Ela merece metade do crédito!

Doeu. Mas eu sobrevivi!!! E bem mais forte, mais feliz, mais segura!
(sem contar mais jovem e mais magra!!!! )

Obrigada pelo pé na bunda, obrigada pelas palavras ofensivas e atitudes babacas que ajudaram tanto a resistir às suas tentativas de me ter de volta.
Nunca vou esquecer. Adoraria. Mas não vou.

Aprendi um monte de coisas legais. O pé na bunda me mandou para frente! Sorte que tive amigos para me segurar e me jogar mais para frente ainda.

Não vou dar uma de Chico Buarque e dizer que você pode voltar pra visitar, a casa é sempre sua, blá blá blá… Venha não. Mas adoraria o tal olhos nos olhos pra você ver como eu me refiz.

Enfim. Vou tentar desapegar dos xingamentos. Prometo. E você, por favor, desapega de mim.
Eternamente grata!
EU!!!!!!!!

O desabafo do leitor é um espaço seu. Chore, xingue, conte sua história. Desabafe! E se não quiser escrever seu nome, não se preocupe. Aqui você pode ser anônimo.