DesignTun

A Tun vem construindo seu caminho com muito humor, usando grafismos diversos e referências à história da Moda e Arte.

12562780_1373027949381109_1467605451_o
 A TUN

A primeira vez que vi um TUN, foi amor a primeira vista. No dia seguinte estava no site comprando minha pulseira. O design inovador, moderno e cheio de humor era exatamente o que estava procurando.

A TUN é uma marca brasileira de acessórios para o corpo. Atualmente cria peças de borracha cortadas à laser.  É um produto 100% reciclável.

Quando decidimos tentar uma parceria, procuramos mais informações sobre o produto e como ele surgiu.

No início da década de 80, durante o movimento Dark, a artista plástica Lia Mascarenhas Menna Barreto criou acessórios feitos com borracha de câmaras de pneu. Com tesoura e estilete criou anéis, pulseiras, saias e colares.12570822_1373027999381104_1134604573_n

Em 2009, Lia começou a trabalhar junto com o artista plástico Mauro Fuke e criaram a TUN. À partir desta união surgiram novas peças, utilizando borracha industrial, látex e borracha reciclada.

Atualmente, todos as peças são criadas pelos dois artistas, que possuem mais de 20 anos de carreira. As diferenças nos processos criativos dos artistas possibilita uma grande liberdade no desenvolvimento dos desenhos das peças, reproduzidas com precisão pelo corte à laser.

O processo de criação inicia a partir de esboços a lápis, revistas, história da arte e moda e de imagens colecionadas da web. Estas idéias iniciais são refinadas, adaptadas e  digitalizadas,  para serem enviadas para a máquina à laser.12571022_1373027966047774_148222555_n

TUN no idioma alemão significa fazer. O nome Tun foi escolhido pela sonoridade e conotação afirmativa.

TUN tem suas raízes principalmente na Pop Art, Street Art e na década de 80. Tun é unissex e atemporal, valoriza a originalidade, a autenticidade e o crescimento pessoal.

Onde achar:

Em uma conversa entre amigas, Ana e Juliana, ambas separadas e Aline, casada, falavam de divórcio e de como esse assunto ainda é visto como um tabu. Existe (acreditem!) muito preconceito e clichês. E só sabe isso quem vive ou viveu um divórcio.