E depois? Como fica a vida sexual depois de uma separação?

Uma pesquisa com mulheres separadas revela comportamentos e preferências após o divórcio!

img_5703

Sim. Mesmo depois de um pesado processo de divórcio, ou uma dolorosa separação, a gente ainda quer transar. Ufa!

E a boa notícia? Para muitas mulheres, o divórcio é uma oportunidade de repensar sua relação com o prazer e de entender que elas podem sim buscar mais qualidade e satisfação individual através do sexo.

Talvez esteja doendo muito ainda, né? Viva a dor, chore tudo o que você que tiver que chorar escutando Cher. Você vai se conhecer mais e entender melhor alguns preceitos da vida vivendo este luto.

Mas dá só uma olhadinha no que 415 mulheres divorciadas contaram para a equipe do SexLog, uma rede social de swingers, sobre o sexo depois da tempestade do fim do casamento.

Primeiro vale ressaltar que 39.3% das mulheres que falaram com o Sexlog encontram-se na faixa dos 40 aos 55 anos. E que 36.9% têm de 30 a 39 anos.

Opa! Vai ter muito gozo além dos vinte aninhos, SIM!

37,8% foi casada por 11 anos ou mais. (Não, o fim de um longo casamento não as impediu de buscar um prazeroso recomeço de vida.)

Agora vamos ao que vocês devem estar curiosas para saber.

Quando é que elas se sentiram prontas para voltar a transar? Claro que não há resposta pronta pra isso, dada a complexidade individual de cada uma, mas estatisticamente falando, parece que para a maioria das mulheres não demorou muito não: 68.1% voltaram a ativa depois de menos de seis meses!

Metade das mulheres com mais de cinquenta e cinco anos foram agraciadas com tal benção. A-LE-LUI-A! E olha mais um dado mais que alentador: 86.30% delas curtiram o sexo!

Lógico que quando termina um relacionamento em tempos de grande avanço tecnológico, a interação, a paquera, a CAÇA, abrangem linguagens e abordagens novas. Mais de 60% curtem uma troca de mensagens mais calientes para entrar no clima com o(s) novo(s) parceitos e 40% rendem-se aos aplicativos.

As participantes mostraram que estão também bem abertas a explorar o seu próprio prazer ou o prazer com o outro de formas mais liberais. A maioria investe em lingeries novas para alimentar o tesão por si. Muitas buscam realizar fantasias, aguçar os sentidos e inovar transando em lugares inusitados.

 

Essa postura mais liberal não pára por aí: sexo no primeiro encontro está liberado. Swing, estímulo anal, sexo lésbico, práticas sadomasoquistas também passam a interessar algumas mulheres.  Um mundo de novas possibilidades que se abre diante de nossos olhos!

E sabe o que achamos mais lindo da pesquisa?

Vou te dizer! O que passou a ser a maior preocupação dessas mulheres no sexo, para exatamente 40,9% , foi buscar seu próprio prazer.

E para 93% a vida sexual MELHOROU após a separação! Não é incrível?!

Viu? Que tal experimentar prazer em diversas formas quando estiver pronta? O corpo é todinho seu e a sacanagem é sua amiga!

 

Mais alguns dados da pesquisa:

Os resultados da pesquisa apontam que mulheres mais jovens voltam a ter relações sexuais em menos tempo do que mulheres mais velhas. Um total de 83,9% das mulheres abaixo de 30 anos voltou a transar em menos de 6 menos. E somente 12,9% das mulheres abaixo de 30 anos esperaram mais do que 1 ano para voltar a transar. Enquanto isso, apenas 50% das mulheres acima de 55 anos voltou a transar em menos de 6 meses. Um total de 33,3% esperaram mais do que 1 ano para voltar a ter relações.

 

Os resultados da pesquisa apontam que as práticas preferidas, em consenso, independentemente da idade, são:

Trocas de mensagens picantes: – 75% das usuárias com menos de 30 anos. – 58,4% das usuárias entre 30 e 55 anos – 50% das usuárias acima de 55 anos.

Lingeries sexies: – 61,1% das usuárias com menos de 30 anos – 55,2% das usuárias entre 30 e 55 anos. – 50% das usuárias acima de 55 anos.

 

FALTA DE SEXO NO CASAMENTO

Um fato interessante sobre essa questão é perceber que quanto mais jovens, a falta de sexo é mais decisiva para o processo de divórcio. As usuárias divorciadas com menos de 30 anos alegam em 61,3% que a causa do divórcio foi a falta de sexo. As usuárias entre 30 e 55 anos alegam em 38,4% que a causa da separação foi a falta de sexo. Nenhuma das usuárias acima de 55 anos alega que a falta de sexo foi fator decisivo para o divórcio.

 

*Essa pesquisa foi realizada em parceria com o site SEXLOG

Em uma conversa entre amigas, Ana e Juliana, ambas separadas e Aline, casada, falavam de divórcio e de como esse assunto ainda é visto como um tabu. Existe (acreditem!) muito preconceito e clichês. E só sabe isso quem vive ou viveu um divórcio.