Ele me quer só para sexo?

É muito comum as mulheres se perguntarem se o homem que estão interessadas as estão “usando” só para satisfação sexual e com frequência se ressentem disso.

ana canosa
Photo by Becca Tapert on Unsplash

Pode ser que sim, pode ser que não. É muito comum as mulheres se perguntarem se o homem que estão interessadas as estão “usando” só para satisfação sexual e com frequência se ressentem disso.

Sobre esse assunto devemos ponderar alguns pontos. O primeiro deles é que, por questões culturais, homens entendem que conquistar e possuir é parte intrínseca de sua masculinidade e muitas vezes (e infelizmente) focam no prazer do próprio corpo aliado ao alimento de seu ego. Baseado nisso, a atração física passa a ser o elemento primordial, ficando os afetos em segundo plano, ainda mais quando racionalmente se tem a cabeça recheada de crenças do tipo: não quero me envolver; mulher/homem na balada só para transar, e por aí vai.

Lembremos também que até bem pouco tempo, o corpo feminino servia como objeto de atratividade e era peça chave na maneira de pensar estratégias de venda. Publicidade baseada no estilo de vida que traduz “poder”, sempre continha ali uma mulher semi nua decorando o ambiente. Desconstruir esse modelo é fundamental, mas leva algum tempo.

O terceiro ponto, que tem relação com os anteriores, é que dissociar sexo de afeto sempre foi algo permitido aos homens, que treinaram melhor a possibilidade de fazer sexo por prazer e sem culpa. Já as mulheres ainda tem receio de serem tachadas de “galinhas”, “fáceis”, etc e tal. 

Outra observação vem de fatos reais: sim, fisicamente nós somos atraídos pelo corpo ou “jeito” da pessoa e isso não tem mal algum.  Então, antes de se enfezar que alguém seja galanteador para uma finalidade sexual, leve para o lado positivo da coisa: você desperta desejo. Se vai ou não se envolver, daí é preciso refletir se dá conta de que, em tempos de abertura no comportamento sexual, o outro pode não querer mais nada além. E veja, não é só porque o sujeito é homem, vadio e todos os malfadados adjetivos que vulgarmente são utilizados em situações como essas: antes de começar a maldizer o gênero masculino, pense que muitos parceiros, pós um encontro sexual, podem não apreciar a sua companhia, ou simplesmente a noite de sexo não “deu liga”. É assim que às vezes acontece.

Se você não consegue lidar com o sexo casual como uma possibilidade de divertimento a dois, prefira apostar nas pessoas que demonstram curtir a intimidade emocional, que se interessam pela sua vida e que conseguem seguir seu ritmo. Assim como há várias feminilidades, não há uma única expressão da masculinidade; cada vez mais os homens estão se libertando dos grilhões do machismo, que os aprisiona a padrões rígidos e racionais. Há uma infinidade de pessoas que se divertem com o sexo casual, mas que preferem, sem dúvida nenhuma, quando ele vem recheado com uma conexão amorosa especial.

Ana Canosa é psicóloga, especialista em educação sexual e terapia sexual. Tem atuação acadêmica, sendo coordenadora e docente em cursos de pós-graduação e é diretora de publicações da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana. Atende em consultório, ministra cursos, aulas e palestras, assina a coluna mensal Sexo Fácil na Revista VIP, tem livros publicados. Esteve à frente do programas de Tv SOS Casamento (SBT), do quadro Familia pede Socorro (SBT,) e do programa Escola para Maridos (FOX Life) e atualmente participa do quadro Beleza Renovada no Programa da Eliana (SBT). É apaixonada pelo tema do amor e da sexualidade e gosta muito do que faz. Como toda mulher da atualidade, tenta equilibrar tantas funções e ainda cuidar de si. Está em seu segundo casamento e é mãe de um garoto lindo, chamado Theo. www.anacanosa.com.br