Epifania

Capítulo 45 - 32 – 32 anos, 32 homens, 32 tatuagens

katerina-radvanska-364507-unsplash
Photo by Katerina Radvanska on Unsplash

Epifania, segundo o dicionário, é uma iluminação divina, um esclarecimento instantâneo, uma compreensão que te atinge como um raio. Bem, eu tive uma epifania ontem e não foi exatamente assim – e, como a epifania é minha, eu a explico como bem quiser. Sacadas realmente profundas não se dão de forma súbita: elas se elaboram por sob a pele, ossos, veias, às vezes por anos a fio. Esses insights parecem pular ansiosos e desconexos como rãs de Belleville, contudo não há nada que tenha uma gestação mais longa e estruturada do que uma epifania.

 

Ian veio ontem aqui e tomou quase uma garrafa inteira de vinho. Enquanto esperávamos o táxi que o levaria embora, eu comecei a lhe fazer cafuné. O prazer sensorial estava lá – no entanto, havia algo mais. Fazer cafuné em Ian por alguns minutos me deu mais estofo emocional do que minhas últimas, sei lá, dez transas, talvez vinte. Por um simples detalhe: havia afeto legítimo ali, pelo menos da minha parte. Não digo que sempre sinta carinho por Ian, o mais normal é que eu sinta raiva e desejo de subjugá-lo, mas, naquele momento específico, sim, era carinho.

Eis a iluminação que serpenteou até a superfície e eclodiu por conta de um cafuné: seria bom se eu ficasse um tempo sozinha. Sabe quando você toma um vinho barato por tantas vezes que não sabe mais o que é um vinho de qualidade? Sabe quando você se apaixona e desapaixona tanto que passa a considerar o processo nada além de uma cansativa pantomima? Não estou dizendo que os homens que tive nos últimos anos não passaram de vinhos baratos, de modo algum, eles têm seu valor como todo mundo: meu afeto por eles é que não foi além de uma cachaça de cadeia, embora eu tenha mentido com muita competência – sobretudo para mim.

E agora não há nada que me pareça melhor do que ficar sozinha, em silêncio no fundo do mar como ostra a gerar uma pérola. Por perto, não quero nenhum som, nenhum cheiro, nenhuma forma. Nem mesmo os cabelos de Ian.

 leu o capítulo anterior?

 

Stella Florence é escritora, autora dos sucessos "Loucura de Estimação", “Os Indecentes”, "Eu me possuo" entre outros livros que tratam do universo feminino. Stella é cronista veterana e parceira do Exnap! www.stellaflorence.net