Mulheres recém-separadas sempre fazem bobagem, especialmente nos cabelos

O Diabo que te carregue - capítulo 16

3144190133_14d3bd4d15_b

Uma bela manhã você dá de cara com uma senhora maltrapilha dentro do seu banheiro. Cabelos desgrenhados, corte indefinido, raízes brancas crescidas, pernas peludas, cravos na ponta do nariz, unhas em petição de miséria. Você só não grita porque são seis horas da manhã de um domingo e as crianças estão dormindo. A senhora maltrapilha lhe acena no espelho: sim, meu bem, é você mesma.

Como você pôde chegar a esse estado? Fácil: bastaram alguns meses sem cabeleireiro, sem depiladora, sem manicure, sem esteticista, para a monstrenga do pântano se instalar de mala e cuia na sua casa.

É preciso tomar medidas urgentes. Impossível esperar até segunda-feira. Você vai dar um jeito naquele horror hoje mesmo. A sofreguidão em se ver logo com uma boa aparência te inspira um pensamento perigoso: Que tal mudar a cor dos cabelos?

Você corre à farmácia mais próxima de plantão, compra esmalte, acetona, lixa de unha, alicate, kit para limpeza de pele em adolescentes (deve servir para você também), kit para depilação em casa e uma tintura vermelho-profundo para os cabelos.

Munida de toda aquela tralha, você se tranca no banheiro. Para não se atrapalhar, vai fazendo tudo passo a passo. Primeiro a depilação, que dá quase certo: sobram umas gosmas marrons presas na sua perna. Depois, a limpeza de pele, que dá quase certo: ficam uns vergões vermelhos no seu nariz. Por fim, você acerta a franja que estava muito comprida e passa a tintura nos cabelos e, enquanto ela age nos seus fios, você aproveita para fazer as unhas. Com a falta de prática, as unhas dão quase certo: restam cutículas picotadas e sangrentas. No fim de trinta minutos, você entra no chuveiro. Ao sair e secar os cabelos, você vê que a tintura deu quase certo: as raízes ficaram cor-de-rosa e as pontas castanhas, isso sem contar que a franja por você cortada ficou muito curta, o que te deixa igual ao índio Aritana.

Então você dá de cara com uma senhora estranhíssima dentro do seu banheiro: cabelos bicolores, franja de Peri sem Ceci, pernas com tufos de cera marrom, nariz vermelho de palhaço, unhas cheias de machucados. Você só não grita porque são dez horas da manhã de um domingo e as crianças estão na sala vendo desenho.

Moral da história: profissionais da beleza não são criaturas supérfluas. Da próxima vez, você vai segurar a ansiedade e marcar uma hora num salão. Mulheres recém separadas sempre fazem bobagem, especialmente nos cabelos.

 

Clique aqui para ler o capítulo 15

Clique aqui para ler o capítulo 14

Clique aqui para ler o capítulo 13

Clique aqui para ler o capítulo 12

Clique aqui para ler o capítulo 11

Clique aqui para ler o capítulo 10

Clique aqui para ler o capítulo 9

Clique aqui para ler o capítulo 8 

Clique aqui para ler o capítulo 7

Clique aqui para ler o capítulo 6

Clique aqui para ler o capítulo 5

Clique aqui para ler o capítulo 4

Clique aqui para ler o capítulo 3

Clique aqui para ler o capítulo 2

Clique aqui para ler o capítulo 1

Clique aqui para ler a abertura

Siga Stella Florence também no twitter @Stella_Florence e no site  www.stellaflorence.net

Fanpage: facebook.com/escritora.stellaflorence/
Instagram: @escritora.stellaflorence

*Photo credit: downing.amanda via VisualHunt.com / CC BY-SA

**Esse conteúdo foi originalmente publicado no livro: O Diabo que te Carregue, da autoria de Stella Florence e foi reproduzido aqui com a devida autorização e revisão da autora.

 

 

Stella Florence é escritora, autora dos sucessos “Os Indecentes”, "32", “Hoje acordei gorda”, entre outros. Stella é cronista veterana e parceira do Exnap! www.stellaflorence.net