ESTAÇÃO: PAIXÃO! Diário de Verônica Volúpia

Que este ano você deixe os rios de lava correrem soltos montanha abaixo. Entre em erupção. Estoure de paixão.

adult-1869791_1920

Toda a virada de ano eu penso a mesma coisa: o ano que se vai são os trilhos e o que chega, a locomotiva. Os trilhos são o caminho, as ações e sentimentos que sedimentamos na linha da nossa existência e que nos permite seguir adiante, ajustando aqui e ali o que está fora do lugar, indo pra cá ou pra lá conforme o rumo que traçamos. Há quem construa para si uma ferrovia profissional, outros focam em viajar, casar, ter filhos. Pois eu quero mais é soltar fumaça, arder em brasa.

Minhas estações não estão no mapa, não têm endereço fixo. Meu caminho é a locomotiva. E a locomotiva é o que nos atropela, é o novo, o futuro, o que está tão perto e tão longe, visível e intangível, são os nossos desejos não realizados, mas ainda vivos, é onde depositamos esperanças de sucesso e concretizações. O ano que chega nos levará adiante ou será que ficaremos com as bagagens na mão abanando ao que se vai no horizonte?

Vivi um ano de paixões avassaladoras. Paixões carnais, paixões utópicas, paixões doentias, sadias, doídas, prazerosas, paixões provocadas, paixões provocantes, densas, úmidas, lacrimosas, paixões instantâneas, ardentes, escandalosas, paixões verdadeiras, amargas, impuras, paixões únicas, múltiplas, engraçadas, correspondidas, inesperadas, paixões proibidas, breves, leves, fúteis, abissais, efêmeras, paixões loucas, paixões serenas, vivi um ano apaixonante e apaixonada. Não sou das que esperam o trem parar para subir em segurança, nem das que agarram num salto oportuno os vagões em movimento. O que eu gosto mesmo é de andar pelos trilhos.

Eu não consigo enxergar na paixão um limitador, paixão pra mim é um agravante. Se para uns o estado de êxtase faz não enxergar mais ninguém a não ser o ser amado, para mim, ao contrário, faz todo mundo parecer interessantíssimo.

Quantidade não é qualidade, mas também não quer dizer que não seja. As variáveis são múltiplas e recombináveis. Você pode achar a pessoa certa ou várias pessoas certas e fazer uma loucura com cada uma delas, ou todas as loucuras do mundo com uma pessoa só. Se a paixão é arrasadora, morra e renasça. Do pó ao pó. É preciso viver tudo para esgotar as vontades e abrir espaço para novos desejos.

Mas apaixonar-se não é uma tarefa fácil. E, hoje em dia, é ainda mais raro. As pessoas estão muito pouco atentas ao outro, pouco abertas, pouco focadas nos assuntos do coração. Como encontrar a sua cara metade se você está em plena época de prova final na faculdade, se tem que entregar a tese do mestrado, se tem que finalizar aquele projeto para o chefe, está atrasada para a academia, tem hora na manicure, na depilação, se esqueceu de passar no supermercado, ih, perdeu o horário do dentista, remarca aí a revisão do carro que hoje o filhote tem natação.

É preciso ter tempo para viver uma paixão. O tempo é a lenha que vai estalando até pegar fogo. Mas você tem que alimentar as chamas, as resmas não caminham sozinhas para a fogueira. Viver cada momento sem pressa, sem relógio, sem aquela sensação de que deveria estar em outro lugar, fazendo outra coisa. É deixar o sentir entranhar na sua pele, formigar no seu sangue a cada sístole, a cada diástole, é submergir em desejos e, quando a pele arrepiar, deixar o arrepio deslizar pelo seu corpo como uma onda sísmica, lenta e prazerosa, inebriante e infinita. Um segundo vale uma hora, uma hora vale um mês e um mês vale uma vida. Uma paixão exige, além do tic-tac do coração, a inevitável entrega ao tic-tac do tempo.

E sem dedicação, não há paixão. Há que se banhar em óleos, se perfumar, sentir o perfume do ser amado agarrada ao travesseiro. Há que se respirar fundo, suspirar. Beijar fotografias, falar sozinha com o espelho. Há que se ouvir música, cantar, dançar, se embalar em sonhos e fantasias. Há que consumir poesia, observar os passarinhos nas árvores, contar as estrelas do céu, as ondas do mar. Há que se tocar, acariciar, aconchegar, se inebriar de temperos, sabores, cores, há que se olhar para o nada e enxergar tudo. E depois de dar o melhor de si a si mesmo, faça tudo em dobro para o outro. Com tesão.

Tesão é uma palavra que provoca calafrios. Em uns, de medo – do desconhecido. Assim como a paixão, o tesão é uma das coisas mais condenadas, reprimidas e rechaçadas da nossa sociedade, sociedade esta que tem pavor ao descontrole, ao que não se pode enquadrar. E você acaba achando que tesão é o que sente pelo Gianecchini ao folhear uma revista. Ou aquele ula-lá momentâneo pelo galã sem camisa da novela das sete. Que tesão é um simples orgasmo. Não é.

Tesão é vibração, é o pleno exercício do sentir. É se permitir, não se limitar. Tesão é o fio de lava que corre dentro das suas veias e que só vem à tona se você permitir que as placas tectônicas que existem lá no fundo do seu eu, também conhecidas como desejo, explodam livres, dando vazão à energia que provém dos seus pensamentos mais íntimos e que você reprime por medo, vergonha, preconceito ou culpa. É um belo espetáculo.

Que este ano você deixe os rios de lava correrem soltos montanha abaixo. Entre em erupção. Estoure de paixão. Que esteja você em que ferrovia estiver, trilhe o trilho que for, não fique na estação a ver navios, salte no trem, agarre-se no seu bem, apite, grite, ferva, vibre. Experimente a sensação de ser atropelado pela locomotiva do tempo. Suspire. Que o tesão seja uma constante, a vida seja apaixonante e os seus desejos não fiquem pendurados, sem moldura, sobre a estante.

Feliz tempo novo!

 

 

15778472_1691115924238975_2085927482_o*Trecho do livro “O DIÁRIO DE VERÔNICA VOLÚPIA”, por Ana Kessler.

O Diário de Verônica Volúpia
As picantes confidências de uma libertina moderna, ousada, sexy. Sem tabus.
livraria.bookstart.com.br

Siga Verônica Volúpia também no facebook.com/veronicavolupia.oficial/

Ana Kessler é escritora e Coach. Foi editora-chefe dos portais femininos Bolsa de Mulher e Tempo de Mulher, e coordenadora do núcleo de internet do Jornalismo da TV Globo/RJ. É autora das séries "Sensações de Sofia" e "O Diário de Verônica Volúpia", que virou livro. Gaúcha de Porto Alegre, paulistana de coração, é apaixonada pela alma humana e pela filha Ana Bia, de 12 anos, o amor da sua vida. É sócia do EXNAP, cuida da área de Planejamento e Novos Projetos.