Eu me separei. E agora? Como posso diminuir os impactos na vida dos meus filhos?

Mas, como posso cuidar e educar dos filhos sozinha após a separação e diminuir os impactos nos meus filhos?

WhatsApp Image 2019-04-21 at 21.16.30
Photo by Benjamin Manley on Unsplash

Nos últimos anos eu andei pesquisando sobre como eliminar o comportamento agressivo e criar profunda conexão com os filhos. Tudo isso para entender a dor que eu vivi quando minha filha começou a não me respeitar e se afastar de mim após o meu divórcio.

E eu descobri que existem inúmeros fatores que causam essa agressividade e falta de conexão. Porém, tiveram dois fatores que eu me identifiquei e que chamaram mais a minha atenção: Pais ausentes e Filhos de pais divorciados.

E o que mais me deixou preocupada, é que as mães podem ser uma das principais causadoras desse afastamento com os filhos após o momento do divórcio. E que elas mesmas estão alimentando essa ausência e afastamento sem perceber, achando que estão fazendo o seu melhor.

Em 2009 eu me divorciei pela primeira vez. Naquele momento eu já era uma workaholic, eu saia para o trabalho e quando chegava em casa depois de um dia longo, cansativo e estressante, encontrava a minha filha dormindo. Eram raros os dias que eu a encontrava acordada.

E por conta disso eu já era um pouco ausente. Mas, as coisas começaram a piorar quando eu fiquei um tempo sem receber pensão, e tive que dobrar meu ritmo de trabalho. Eu deixava minha filha com a minha mãe e ia trabalhar sem promessa de horário para voltar, muitas vezes, nem voltava no mesmo dia. Com isso a ausência física aumentou, e os raros momentos que me restavam com a minha filha, na maioria das vezes eu estava exausta e sem paciência. E aqueles momentos que deveriam ser selados com a minha presença, eram marcados por ausência afetiva, pois eu estava lá só de corpo presente, mas com a mente cansada e longe dali, geralmente preocupada com o que eu tinha ainda de trabalho para fazer.

Não que eu não amasse a minha filha. Longe disso! Mas, é que algumas de nós, movidas pela necessidade em defender as necessidades básicas de nossos filhos, acreditamos que fornecendo alimento, roupas, moradia, e algumas vezes até suprindo nossa falta com presentes, para amenizar nosso sentimento de culpa, temos a sensação de que estamos cumprindo com a nossa missão. 

Mas, não percebemos que nossos filhos trocariam tudo isso apenas por um momento de conversa com afeto, com olho no olho, com conexão.

Hoje eu entendo que minha filha apenas queria minha atenção quando fazia coisas que me irritavam, como não atender aos meus pedidos, e inclusive me rejeitar quando eu tinha um raro tempo para ela.

Hoje eu entendo que era apenas um pedido de socorro para que eu pudesse abastecer o seu tanque afetivo.

E eu estou te contando isso, porque eu sei o quanto pode estar sendo doloroso e desafiador lidar com seus filhos após sua separação.

E eu entendo que por trás dessa sua “ausência” existe a boa intenção em dar o melhor suporte material para o seu filho. Mas, estou aqui para alertá-la que precisamos cuidar do suporte emocional, para que seu filho não se afaste de você aos poucos, e você assista de camarote seus filhos escaparem pelos dedos de suas mãos.

Mas, como posso cuidar e educar dos filhos sozinha após a separação e diminuir os impactos nos meus filhos?

Se eu pudesse te fazer um pedido, com a experiência que vivi, é que ofereça mais carinho aos seus filhos, dedique tempo e atenção exclusiva aos seus filhos, com olho no olho e escuta ativa, longe dos eletrônicos. E aqui eu não estou dizendo para dedicar todo o seu tempo só para dar atenção ao seu filho, pois você precisa de um tempo para cuidar de si. Claro, é sim necessário que nossos filhos recebam carinho e atenção, mas o exagero pode transformar o carinho em mimo. Por isso dê atenção na medida do possível. Pequenas atividades já representam o convívio, como ler histórias ou ter uma conversa pela manhã, reservar uma hora para brincar no final de semana.

Outro pedido que eu faria é, busque não contaminar seus filhos com rancores do casal. Se o relacionamento não terminou bem a responsabilidade é do casal, não são os filhos que devem pagar este preço. Aproveite a separação como uma oportunidade para demonstrar o sentido da palavra respeito. Seja cordial com o pai dos seus filhos. Isso evita o afastamento da outra parte, pois alguns pais diminuem a convivência com a criança para não precisar lidar com a mãe, e isso pode trazer diversos sentimentos para as crianças, que podem até se sentir culpadas pela separação, mesmo que de maneira inconsciente. Se você ama seus filhos de forma genuína, não permita que eles paguem o preço da discórdia, dos sentimentos que eles não pediram para experimentar. Eles não merecem viver a vingança, o ódio, e serem usados como instrumentos de poder, como se fossem armas e balas para atacar ambas as partes em um campo de batalha. Encontre estratégias que facilitem os encontros com as crianças, fazendo com que percebam que a questão ocorreu somente entre o casal e que isso não muda a relação de cada um com ela.

Crianças e adolescentes muitas vezes não tem estrutura psicológica e emocional suficientemente desenvolvida para lidar com a própria dor, muito menos com sua dor, então por mais que você esteja sofrendo, não faça de seus filhos confidentes ou aliados. Isso pode gerar estresse e cicatrizes emocionais.

E o principal de tudo é: escolha usar uma linguagem amorosa, respeitosa e conectada com seus filhos, mesmo na hora dos conflitos.

Por muitas vezes me sentia culpada por dizer não, e temia que ao colocar limites minha filha poderia deixar de gostar de mim.

Em algumas situações você vai precisar sim ser direta e firme, mas não precisa ser dura. Ao falar com seus filhos, seja objetiva, mas sempre demonstrando muito amor e respeito.

Sempre faça a opção por escolher palavras que passem a segurança que seus filhos precisam.

Mãe respeitosa, filhos respeitosos. Mãe amorosa, filhos amorosos. Seja o exemplo para os seus filhos.

O melhor legado de um pai para seus filhos é um pouco do seu tempo todos os dias”.

– Battista –

E nesse tempo, que exista qualidade, que exista conexão de amor, presença respeitosa e um lar feliz.

Porque sim é possível transformar esses desafios em laços de afeto para toda uma vida!

Andressa Benitz

Facebook: @andressabenitzcoach

Instagram: @andressabenitz

Andressa Benitz é mãe, coach e treinadora de mães e filhos. Idealizadora do Programa “Mães no Controle” de Suas Emoções, Andressa ajuda mães vencerem os desafios em lidar com os filhos e a sobrecarga da vida moderna, desenvolvendo Mães Capazes de Educar Seus Filhos de uma forma amorosa, conectada e respeitosa em cada fase da vida deles.