Clubes? Família? Irmandades? Onde você procura apoio?

Imaginem que maravilha seria um mundo onde essas mesmas pessoas permanecessem unidas para oferecer e receber apoio?

SINGLE-MOMS-CLUB-STREET
Imagem do filme

Entre participar de um bloco e outro pelas ruas de São Paulo, neste Carnaval empenhei-me, com grande afinco, a não fazer absolutamente nada. Esse ócio, nos tempos modernos, tem uma grande companheira além das almofadas, dos sofás e das guloseimas: a Netflix. Ah! Tivemos um feriado delicioso juntas.
Mas como minha cabecinha reflexiva não me dá descanso, comecei a reparar e me intriguei com a quantidade de comédias, suspenses e dramas disponíveis que têm como protagonistas mulheres que se unem na luta contra a opressão e a desigualdade entre gêneros.
Aceitei a indicação de uma amiga muito especial e comecei a assistir o filme O Clube das Mães Solteiras. A comédia, com alguns tons dramáticos, nos leva ao dia a dia de algumas mulheres que moram nos Estados Unidos e escolhem a cooperação para lidar com as demandas da vida, seja com seus filhos, seja com seus relacionamentos afetivos.

Além da busca pelo equilíbrio entre a realização pessoal e o zelo pela prole, o filme se dedica a mostrar a força do grupo que oferece suporte às suas participantes. Tudo isso, é claro, nos é apresentado através de lentes hollywoodianas devidamente cor de rosa.
Alguns dias depois, comemorava-se em 8 de março, o Dia da Mulher, e nessa data os temas cooperação, empatia e solidariedade voltaram a chamar minha atenção. Cheguei em minhas pesquisas a um artigo muito interessante escrito por Dandara Tinoco para o Jornal O Globo, cuja manchete é Sororidade, substantivo feminino. A palavra sororidade, mesmo não existindo na língua portuguesa, anda muito em moda (é originária da palavra soror, irmã em latim) e pode ser traduzida pela capacidade ou qualidade de algumas mulheres de se unir, baseadas na empatia ou no companherismo.

No tal artigo, a jornalista nos brinda com vários trechos dos discursos das muitas vertentes do feminismo, dentre eles a fala de uma professora venezuelana, Elida Aponte Sánchez, afirmando que o feminismo não é contra os homens, mas sim, contra o patriarcado, ou seja, contra o pacto entre os homens que vem excluindo as mulheres das decisões sociais e políticas por séculos.
Seja na sororidade feminina, seja no patriarcado masculino, ou simplesmente na fraternidade humana, o importante é aceitarmos que devemos sempre buscar apoio. Mesmo que seja para olharem por nossos filhos enquanto vamos ao cinema. Numa época de individualismo exacerbado, nossa salvação enquanto humanidade está na construção de pontes, em vez de barreiras.
Voltando ao Clube das mães solteiras fica a pergunta: o que falta para você formar uma rede de apoio para caminhar com você e ajudá-la a enfrentar as demandas da vida pós-separação como as mães do filme?

Mas sugiro irmos adiante: proponho pensarmos no que nos impede de fazer isso em grande escala, no bairro, na cidade, no país.
Um bloco de carnaval arrasta milhares de pessoas unidas pela alegria e pela diversão. Imaginem que maravilha seria um mundo onde essas mesmas pessoas permanecessem unidas para oferecer e receber apoio?
E então? Você conhece alguma rede de apoio? Tem vontade de criar uma? Vamos começar?
Abraço e bons laços
Vanessa

Para saber mais:
O artigo da jornalista Dandara Tinoco, em O Globo:
http://oglobo.globo.com/mundo/sororidade-substantivo-feminino-18959230

O artigo da professora Elida Aponte Sánchez, para o site Aporrea (em espanhol):
https://www.aporrea.org/actualidad/a127674.html

Vanessa é mãe em tempo integral, além de psicopedagoga e pesquisadora do psicodrama, da psicomotricidade e da aprendizagem humana. Divorciada, trabalha em uma escola internacional em São Paulo como educadora e, pelas inquietações da vida, fundou com amigos uma associação socioeducacional chamada FabricAções. Em seus textos publicados aqui, procura partilhar alguns dos tijolos necessários para as pontes que precisamos construir entre adultos e crianças no que diz respeito à aprendizagem para a vida. vanessameirelles@fabricacoes.com.br