Homens rústicos são melhores no sexo?

Capítulo 22 - 32 – 32 anos, 32 homens, 32 tatuagens

rustico
Photo by Henri Meilhac on Unsplash

Corre pelos banheiros femininos a lenda de que os caras mais rústicos, broncos, toscos são, de longe, os melhores na cama. Deve ser por isso que as mulheres perdem a cabeça pelos nativos de Trancoso, Pipa ou Porto de Galinhas. Mas pra que ir tão longe se há rústicos aqui mesmo para fazer o teste?

Foi por isso que passei pela fase menas-é-mais, na qual você sai com caras que falam errado, mas transam certo – sobretudo, transam mais certo do que os outros: pelo menos é isso o que a lenda urbana apregoa.

A fim de fazer uma pesquisa séria, baseada em fatos reais, colhi nos aplicativos de paquera, em perfis que continham erros crassos de português, três gentis cobaias: um mecânico moreno de olhos azuis que parecia ter saído da novela das nove e não tinha a menor noção da sua beleza; um engenheiro ruivo e cabeludo que parecia ter saído de uma caverna ibérica e não tinha a menor noção da sua beleza; e um vendedor de roupas mulato de olhos verdes que parecia ter saído do C.S.I. Las Vegas e não tinha a menor noção da sua beleza.

Claro que essa minha incursão não foi sistematizada ou seguida em ordem: ao longo dos anos, quando um espécime se encaixava no perfil menas-é-mais, eu o degustava com objetivos, digamos, antropológicos. Não lambi nativos, o que foi bom para a imparcialidade da pesquisa: num ambiente estranho, não demora muito para que você comece a chamar urubu de meu louro. Os critérios de seleção que usamos na cidade se modificam quando saímos dela, afinal, o que é mais importante numa praia: um cara com um corpo escultural e uma habilidade espantosa para permanecer em pé sobre as ondas usando apenas uma tábua de poliuretano ou um cara charmoso, que fala todos os esses, sabe conversar sobre Platão e te acompanha ao teatro nas noites de sexta?

Nosso gosto se transforma, dependendo das circunstâncias exteriores. Se você estiver há dez dias num Spa vai achar que os homens com mais de cento e vinte quilos nem são tão gordos assim e, em pouco tempo, correrá o risco de se ver nadando num mar lúbrico muito além da fofura. Se você for para a praia, se demorando num estado de pouca roupa, cores fortes e águas de coco, se sentirá atraída por quem sobressai nesse contexto: pescadores, surfistas, guias de turismo, nativos, vagabundos endinheirados ou apenas caras que não têm nada a ver com você, mas cujos corpos desfilam maravilhosamente bem sobre as areias quentes.

Quanto à minha pesquisa, a dei por encerrada quando uma camisinha estourou com um desses espécimes e eu passei pelo horror, horror, horror de talvez estar grávida de um cara que não tinha rigorosamente nada a ver comigo. Como medida emergencial, tomei a pílula do dia seguinte e aquelas duzentas e oitenta e oito horas entre a camisinha estourar e a minha menstruação descer foram de uma agonia excruciante (isso sem contar mais algum tempo, até zerar todos os exames de saúde). Eu me crucifiquei de cabeça para baixo: pensei no quanto eu malbaratava meu corpo, que eu deveria transar só quando estivesse com alguém que valesse a pena, que meu filho teria de conviver com pessoas com quem eu não tinha nenhuma sintonia, que talvez eu tivesse também pegado uma doença, que um filho não deveria ser gerado daquela maneira e que a culpa era toda minha, etc., etc., etc.

Foi nesse período que eu tive minha primeira e única crise histérica. Passei duas horas no chão do banheiro querendo crer que era um misto de queda de pressão e nervoso. Que nada: era histeria mesmo, daquelas que Freud estudava, de corcovear o corpo e retorcer as mãos. Dá um cansaço, uma moleza, uma vontade de dormir, depois que uma crise dessas passa… Enfim, eu prefiro relaxar em Águas de São Pedro, em Caldas Novas, em Lindóia a ter de passar por aquilo de novo.

No fim das contas, concluí que as mulheres que piram com nativos e toscos em geral devem fazer isso por conta da aventura, do rompimento de padrões, do mergulho no proibido. Se bobear, elas é que estavam numa temperatura mais alta que a usual, não eles. No que me concerne, essa história de caras rústicos serem melhores na cama é pura lenda – até porque, a falta de um bom papo entre os gemidos, compromete um bocado a qualidade da coisa (pelo menos para mim, compromete).

Em matéria de sexo, não existe garantia. Aliás, garantia é um luxo que nem as princesas têm, quanto mais as plebeias.

 

Perdeu o capítulo anterior?

Você já teve um surto sexual? 

“O surto faz você aceitar coisas que normalmente não aceitaria, procurar pessoas que normalmente não procuraria e transar com criaturas com quem normalmente você nem tomaria um café. O surto faz você desencavar a agenda do ano passado, cogitar a suprema tortura de se enfiar numa balada e baixar a nota de corte de sete para três.”

Surto sexual

Stella Florence é escritora, autora dos sucessos "Loucura de Estimação", “Os Indecentes”, "Eu me possuo" entre outros livros que tratam do universo feminino. Stella é cronista veterana e parceira do Exnap! www.stellaflorence.net