O lado bom da rejeição

O gajo que te deu um cartão vermelho, além de não empatar sua vida, te ofertou por tabela um presente precioso: a liberdade.

aditya-saxena-410663-unsplash
Photo by Aditya Saxena on Unsplash

Dizem que a pior coisa que pode acontecer numa relação a dois é o abandono. Ok, ser rejeitada é um horror, ser rejeitada como mulher é o horror dos horrores, mas tem coisa pior.

Dois meses, parcos dois meses bastaram para que um cara aparentemente legal, normal, tranquilo, encasquetasse com uma amiga minha. Encasquetar é pouco: ele passou a ligar para ela dez, vinte, trinta vezes ao dia, passou a esperá-la na saída do trabalho, a abordar seus colegas na rua. Claro que diante desse assédio minha amiga cortou o projeto de relacionamento que havia entre eles. Adiantou? Não. O rapaz atravessa as noites estacionado na frente do seu prédio, a segue até a casa da mãe, até o shopping, até onde quer que ela vá. Se ela entra numa padaria, em menos de um minuto ele está ali também. As cortinas da casa da minha amiga agora vivem fechadas, ela está com medo, até seus familiares estão com medo.

O perseguidor da minha amiga tem um bom gosto literário. Escolheu “Fanatismo”, soneto de Florbela Espanca, e, todos os dias, às 21:20, o envia por e-mail (este horário marca o primeiro beijo de ambos). O soneto é, de fato, belíssimo – e assustador. Só de pensar em alguém declamando-o para mim já começo a suar de pavor. Sinta o drama (reproduzido em sequência, sem a formatação de soneto).

Minh’alma, de sonhar-te, anda perdida, meus olhos andam cegos de te ver, não és sequer a razão do meu viver, pois que tu és já toda a minha vida! Não vejo nada assim enlouquecida… Passo no mundo, meu Amor, a ler no misterioso livro do teu ser a mesma história tantas vezes lida! “Tudo no mundo é frágil, tudo passa…”, quando me dizem isto toda a graça duma boca divina fala em mim. E, olhos postos em ti, digo de rastros:”Ah ! Podem voar mundos, morrer astros, que tu és como Deus: princípio e fim! …”

Vê? Ela tem toda razão em temer o desenrolar dessa insanidade. A violência contra a mulher, materializada especialmente por companheiros ou ex-companheiros, é uma realidade assustadora.  Minha amiga tomou providências: não sai de casa desacompanhada e acabou de entrar com uma medida legal restritiva para que o rapaz pare com essa perseguição.

Se você está se sentindo uma pobre infeliz porque levou um fora, mude o mantra, amiga: você foi abençoada! Cada homem que te rejeitou, que te abandonou, que não quis saber de você é um homem a menos a te perseguir. Já pensou nisso? O gajo que te deu um cartão vermelho, além de não empatar sua vida, te ofertou por tabela um presente precioso: a liberdade.

 

Stella Florence é escritora, autora dos sucessos "Loucura de Estimação", “Os Indecentes”, "Eu me possuo" entre outros livros que tratam do universo feminino. Stella é cronista veterana e parceira do Exnap! www.stellaflorence.net