O Luto

Eu sei, dói. Corrói por dentro e parece que nunca vai passar. A cabeça explode, o corpo endurece. O estômago embrulha.

luto

Iniciar um relacionamento é sempre muito gostoso. Paixão, agrados, mimos e juras de amor. E como aqui a gente não gosta de plantas de plástico, mas sim das naturais, eis que chega a hora de lidar com as folhas secas pelo chão, ou seja, o fim do ciclo.

Rompimentos são difíceis, mesmo quando existe a certeza de que não há formas de continuar ao lado da pessoa amada. Mesmo quando não se ama mais. É um buraco estranho e úmido, pegajoso, que nos suga com sua vaporosa correnteza.

Eu sei, dói. Corrói por dentro e parece que nunca vai passar. A cabeça explode, o corpo endurece. O estômago embrulha.

Lidar com a sensação de fracasso e com os fantasmas da rejeição que habitam a nossa sombra, aparenta aquela cena de um único soldado, que observa as centenas de inimigos apontando no horizonte, descendo a montanha em alta velocidade em sua direção. Eles chegam. E daí é a hora de escolher.

Você pode subir no seu cavalo, fugir, penetrar selva adentro e permanecer ali com a impressão de estar a salvo. Porém vai carregar a angústia – como uma mochila presa em suas costas – de quem vai ser pego a qualquer momento. Ou faz contrário: respira fundo, encara seus oponentes e se liberta de tudo isso. Será uma luta árdua e sangrenta, haverá dias de incerteza e tristeza, de vazio, de cobranças e apatia. No entanto ela terá um fim e você será a vencedora.

O sol volta a brilhar. Oque era escuridão se enche de luz e você é novamente um terreno fértil, com sementes prontas para germinar o melhor de si.

Conheça mais do trabalho da artista plástica Camila Morita

Link do trabalho www.flickr.com/camilamorita

Instagram: @moritacamila

Camila Morita é formada em Arquitetura e Cenografia e dedica-se à ilustração e pintura desde 2007. Sua obra passa por várias fases e representa cada circunstância marcante em sua vida, resultando em séries intimistas e com um plano de fundo onírico. Para complementar estes grafismos, utiliza de textos para concluir e reorganizar os próprios pensamentos e devaneios.