O novo casamento (parte 5)

A fase mais perigosa da “nova” mulher pode se encontrar em suas novas relações, como em uma cilada em que você se relaciona com o novo parceiro como se fosse seu ex marido, ou seja, relações novas que carregam em si o mesmo sentido, os mesmos hábitos, pois muitas vezes essa relação pode apresentar algumas características do antigo casamento e fazer com que a história de erros e acertos se repita e isso pode levar a fins desastrosos.

image

A fase mais perigosa da “nova” mulher pode se encontrar em suas novas relações, como em uma cilada em que você se relaciona com o novo parceiro como se fosse seu ex marido, ou seja, relações novas que carregam em si o mesmo sentido, os mesmos hábitos, pois muitas vezes essa relação pode apresentar algumas características do antigo casamento e fazer com que a história de erros e acertos se repita e isso pode levar a fins desastrosos. Pois na ânsia de encontrar alguém especial você poderá encontrar homens não disponíveis, talvez mais novos e imaturos ou mesmo mais velhos com bloqueios de se relacionar por carregarem também traumas de seus relacionamentos anteriores, enquanto você está sonhando e desejando que tudo aconteça de uma maneira diferente, você poderá se iludir e sofrer novamente por mais uma vez deixar que a ansiedade se sobreponha ao seu amadurecimento e preparação para um relacionamento novo. Em outras palavras, agora é o momento de você usar toda a sua experiência para avaliar o seu relacionamento anterior e fazer diferente da próxima vez. O que passou, passou e você aprendeu muitas coisas com a experiência de seu primeiro casamento e hoje você é uma pessoa diferente daquela que se relacionou com aquele determinado homem e tudo o que passou construiu e fortaleceu a mulher que você é hoje. E agora você está pronta para se relacionar de uma maneira diferente não somente com o outro, mas, sobretudo com você mesma. E agindo assim você descobrirá o verdadeiro sentido de estar com alguém por uma escolha consciente e perceberá que antes de se casar com o outro você deverá se casar com você mesma. E também descobrirá que, se abrir para o novo e conhecer uma nova pessoa é atrair felicidade para a sua vida.

Para ilustrar o que escrevi acima, gostaria que você refletisse sobre este

texto de Bert Hellinger, precursor da terapia em Constelação Familiar:

O Medo do Amor

“O medo do amor possuem aqueles que não amam. No próprio amor esquecemos o medo. É como na guerra, os que estão atrás tem medo e os que estão na linha de combate não tem medo. Vá até a primeira linha.Mais algo sobre o medo: O medo nasce de uma ideia. Para ter medo do amor é preciso desviar o olhar da mulher/homem. Se você olhar, o medo desaparece imediatamente. “Portanto, o medo é a pequena felicidade.”

Bert Hellinger

Gil é psicoterapeuta Junguiano e Constelador familiar. Especializado em terapias energéticas como Reiki, que atuam no equilíbrio da interação do corpo com as emoções e a mente. Consultor de imagem e visagista há 13 anos, seu maior objetivo é unir o conteúdo interno com o externo de forma harmônica. imagemgil@hotmail.com https://www.facebook.com/oscirculosdoamor/