O show acabou... está na hora de sair de cena.

Saber a hora de sair de cena é algo complicado, porém necessário! Só se restaura um amor que existe, mesmo que fraco, amores terminais e amores mortos não se recuperam.

gracileli
Photo by Štefan Štefančík on Unsplash

As cortinas se fecharam, as luzes se apagaram… Não adianta mais sapatear no palco, acabou! Parafraseando o Rei “o show já terminou”!
Saber a hora de sair de cena é algo complicado, porém necessário! Só se restaura um amor que existe, mesmo que fraco, amores terminais e amores mortos não se recuperam. É como desfibrilar um cadáver, você só vai se desgastar sem o menor resultado, e qualquer movimento do corpo é mera coincidência. Assim é o amor que morreu. Ele pode ter vontade de ligar, ele pode ser gentil, educado e até prestativo, mas não te ama mais. Eu sei… Dá vontade de ligar por qualquer falha no carro, para contar qualquer coisa dos filhos, para falar da febre ou da conta de luz, mas se contenha! Talvez ele te atenda, se for um cara bacana, talvez ele até vá te socorrer, mas ele faria isso pelo Marcão da loja de ferragens também, e no fundo você sabe disso.
Viva seu luto, enterre o amor, se despeça, chore um dia, uma semana, um mês, mas entenda e aceite o inevitável.

Saber aceitar o fim é uma questão de elegância e amor próprio. Se o seu amor ainda não acabou, seja generosa, ame ainda mais profundamente, e o deixe ir em paz. Seja sempre brisa, correnteza, nunca uma âncora.

Que sentido faz ter alguém que não te ama? Que amor e esse que pretende aprisionar pela compaixão, remorso ou chantagem emocional? Você merece muito mais que isso.

E a outra? Ahhhhhhh, a temida OUTRA! Ela não é má, nem bruxa, nem tem apenas defeitos… Ela é como você, só está tentando achar o cara ideal! Não há nada de cruel nisso. Talvez ela tenha sofrido o mesmo que você, o conheceu por aí, isso não a torna uma vilã. Sendo assim, também não assuma esse papel de vilania. Enxergue-a com menos maldade e dor, e vai ver um pouco do seu reflexo, vai ver uma mãe, uma profissional, uma pessoa comum, que como todos, está procurando seu lugar no mundo ou em um abraço, que por mera coincidência já foi seu.

Seja racional! (Eu sei, parece fácil falar, mas quem vos fala é uma mulher divorciada 3x. Entendo tudo do céu ao inferno de uma relação, pode apostar)
Não somos erradas, não fizemos nada de ruim, apenas apostamos no par inadequado. Ele também talvez (há casos e casos) não seja ruim, só não era o cara certo, ainda. Eu acredito em parcerias que dão certo e outras que são explosivas, e ainda há aquelas boas por um tempo mas com prazo de validade. Pode não parecer agora, mas você ainda será muito feliz, vai olhar pra ele e pensar “como foi que eu me casei com ele? Não nascemos um para o outro. Que seja feliz com alguém por aí”. E ele será, você também será!

Eu sei que na prática, os dois primeiros anos de separação são terríveis. Contas conjuntas, dinheiro, sociedades, negócios, filhos, patrimônio, reajustes e readaptações, imposto de renda e até o cachorro são problemas a resolver, que nos fazem questionar o juízo de valores do outro, mas lembre-se que pra ele tudo isso também é desgastante e detestável. Não dá pra apertar um botão e desconectar o que durou anos, é preciso tempo, paciência e muita, muita empatia. Colocar-se no lugar do outro constantemente pode ser um bom exercício. Deixe de lado a pirraça e a inconveniência. Se perdeu, seja uma dama, abra um vinho, chore o quanto quiser, fique longe do telefone, e saia de cena, afinal, o show já terminou!

E porque sofrer com música é muito mais emocionante e “diva” e ninguém é obrigada a passar por isso sem trilha sonora, ouça a música:

https://m.letras.mus.br/roberto-carlos/48651/

Separada, superada, sem parada! Apaixonada novamente Dois filhos terríveis e lindos Buscando autoestima e autoconfiança Professora e aprendiz, sempre!