Por que é tão difícil recomeçar?

Porque será que ao mesmo tempo que queremos muito viver um grande amor, temos tantos medos?

img_5446

RECOMEÇOS

“O Amor…
É difícil para os indecisos.
É assustador para os medrosos.
Avassalador para os apaixonados!
Mas, os vencedores no amor são os fortes.
Os que sabem o que querem e querem o que têm!
Sonhar um sonho a dois,
e nunca desistir da busca de ser feliz,
é para poucos!”
???Cecília Meireles

Porque será que ao mesmo tempo que queremos muito viver um grande amor, temos tantos medos? Medo de nos frustrar, de nos machucar, nos decepcionar, dentre outros…

Aprendemos muito com os nossos relacionamentos, e a cada um deles nos tornamos pessoas diferentes, às vezes mais seguras, alegres, sorridentes e em outros casos inseguras, ciumentas e tristes.

O que define se essa experiência foi positiva ou negativa é a forma como nos entregamos ao outro e o que recebemos em troca.

Na maioria dos casos você inicia uma relação acreditando que ela vai dar certo, começa observando e progredindo, passo a passo, mas depois de um tempo as coisas mudam, a panela esfria e você se sente perdida, sem saber exatamente aonde tudo começou a dar errado, e aí vem os apontamentos: “ele é que não tem paciência”, “ele não me escuta”, “ele não é carinhoso comigo”. Ficar reforçando essas afirmações não nos traz paz e nem maturidade.

As pessoas não mudam pelo outro, e a mudança, quando vem, é um processo interno, de auto conhecimento, e essa introspecção é importante para você entender o que houve com a sua história, e só depois disso estamos prontos para seguir em frente, para novas possibilidades e novos amores.

Sempre somos e seremos uma metamorfose constante, e a vida vai calejando… é como uma criança que se queima pela primeira vez e passa a ter medo daquilo que tanto a machucou; no amor fazemos a mesma coisa, temos medo de nos machucar novamente, de nos “queimar” e acabamos não nos entregando e não aprendendo a lidar com os nossos medos ou desafios.

Depositamos no outro a culpa pelas nossas frustrações. Queremos acertar e acabamos errando e nos machucando ainda mais.

Aprendemos na vida que precisamos ser fortes e determinados se quisermos vencer e conquistar nossos objetivos, mas às vezes nos tornamos tão frágeis quando algo não dá certo, que parece impossível continuar nossa jornada. Lembre-se:

“se quiser o arco íris, tem que aguentar a chuva”.

Aprender a lidar com a frustração é uma das responsabilidades dos adultos, e para alçarmos novos vôos é preciso asas, é preciso leveza e coragem para mudar. Reflita a respeito da sua dificuldade em mudar, avalie o porque e tome decisões, depois olhe para frente e siga seu caminho… a ordem é RECOMEÇAR, com amor a você em primeiro lugar.

 

?Patrícia é Psicóloga, atende adolescentes e adultos em São Paulo capital, na Vila Clementino e no Morumbi. Atualmente é casada após passar por um processo de divórcio. Fez especialização para trabalhar com pacientes adultos e que necessitam de uma comunicação mais assertiva e positiva. Trabalhou na Fundação Julita por 2 anos como psicóloga no atendimento à famílias, crianças e funcionários da fundação. É extremamente atenciosa e confiante nas relações humanas. patricia@florenzano.com.br