Quem está no controle?

Seria esse um desejo de todos nós? – Ter certeza de que tudo dará certo? Ter todas as respostas antes mesmo das perguntas terem sido feitas?

lucas-ortiz-1160552-unsplash

PARTE I     O perigo das certezas num mundo incerto!

Hoje vou escrever sobre algo que aconteceu semana passada, em um grupo com mulheres de várias idades, vindas de várias estradas de vida, de 18 a 58 anos. Falavam de desconforto e do recomeço necessário depois de momentos difíceis na vida.

Respondendo à última pergunta do questionário entregue no início do trabalho, “ O que a deixa mais desconfortável na vida? ”, a jovem sentada à minha frente nem piscou e já disse em voz alta: “…   Não ter certeza sobre o que vai acontecer, se vão ser coisas boas ou não…”

Quando esse questionário foi entregue às mulheres mais velhas do grupo, todas falaram de um mal-estar parecido, relacionado à falta de certeza de que isso ou aquilo aconteceria como esperavam, ou, como desejavam, em suas vidas

Seria esse um desejo de todos nós?  – Ter certeza de que tudo dará certo? Ter todas as respostas antes mesmo das perguntas terem sido feitas? 

Uma voz mais grave falou do fundo da sala: A única certeza que existe é que tudo está sempre mudando!   A conversa esquentou e entre as muitas ideias partilhadas, veio outra importante:

“…. Então se a mudança é uma certeza, o desconforto, o medo seria da falta de controle sobre os resultados? ”… 

Foi a hora em que a palavra chave apareceu –  FALTA DE CONTROLE – propus uma brincadeira:

Vamos fazer uma lista com aquilo que controlamos em nossas vidas? E semana que vem trazemos para dividir com o grupo?

Todos toparam – vamos fazer juntas aqui também?

O que você controla em sua vida?  Até a próxima semana.

Vanessa não é só mãe em tempo integral. Trabalha na co-criação de projetos e políticas educacionais que fomentem a emancipação do indivíduo. É professora especializada em inclusão escolar e social com ênfase na formação e acompanhamento de professores em sala de aula. Trabalha em uma escola internacional em São Paulo e, pelas inquietações da vida, fundou com amigos a FabricAções (www.fabricacoes.org.br) Em seus textos publicados aqui, procura partilhar alguns dos tijolos necessários para as pontes que precisamos construir entre nós e os outros, na busca pela nossa autonomia.