Saindo do armário...

2-rear-view-of-shirtless-woman-with-camera (2)

Vamos falar sobre um assunto não tão convencional. Calma, não quero polemizar ou falar da opção sexual de cada um. Livre arbítrio, cada um sabe o que quer.
Mas o que quero hoje é sair do armário!

Sair do armário do preconceito, limpar as gavetas da memória, arrancar de vez aquele cabide que só me faz pendurar para amanhã o que eu posso, e quero, fazer hoje.
Quero viver sem limites, sem medos ou preconceitos, sem achismos ou regras, colocar as roupas para fora e me libertar do “pretinho básico”. Não quero ser básica, não quero o básico…

Se um dia fiquei presa dentro desse quadrado de 6 portas é porque essa sociedade egoísta e convencional me colocou lá. Não quero fugir da realidade, mas também não quero achar normal em me contentar com esse espaço escuro e sem graça. Quero ir além…

Quero explorar sem pressa de voltar, levar comigo meia dúzia de roupas, que na verdade nem sei se vou usa-las. Quero me despir do jeans e sapatos fechados, quero a liberdade do movimento e fluir com o vento, como um pedaço de seda que escorrega pelos braços…
… É isso que quero. Quero me entrelaçar nos seus braços sem pensar no amanhã, sem me preocupar com a hora do jantar, eu nem quero jantar!
Quem colocou hora para a minha fome manifestar?

Quero me apaixonar loucamente e sem pensar no depois, viver o hoje como se o mundo fosse acabar, mesmo sabendo que não vai!
Sair do armário é não pensar em regras sociais, nomenclaturas, status de relacionamento, se é bom nisso ou naquilo… É simplesmente Ser e Viver! E você tá afim de sair do armário?

Simone Fantini
Jornalista Sócia-proprietária da empresa Bem Arrumado
(11) 973359338

Simone, é coordenadora de marketing e reikiana, bruxinha segundo as amigas e, para ela, aprendiz de feiticeira. Mesmo distante olhou para a pequena empresa de serviço de sua mãe, e resolveu profissionalizar, nascendo assim o Bem Arrumado. Hoje elas atendem em São Paulo e Ribeirão Preto. E descobriram que através de um simples ato de arrumar e energizar o guarda-roupa das pessoas, conseguiram fazer grandes amigas e fiéis escudeiras. "Ganhei várias irmãs... Todas a chamam de mãe!" simone.fantini@fox.com