Vamos falar de planos?

o chamado para uma mudança de vida nada tem a ver com gratidão, reconhecimento ou uma insatisfação passageira, mas sim uma mudança interna que pede outras mudanças para que nos sintamos plenos. Não é tarde para mudar, mas é preciso traçar metas e definir prazos para que essa transição ocorra de forma gradativa, segura e com resultados próximos dos esperados.

WhatsApp Image 2019-04-15 at 23.09.25
Photo by Ian Froome on Unsplash

Você passou por várias coisas, enfrentou diversas situações, conquistou um espaço só seu, sobreviveu a relacionamentos, ficando neles ou saindo, tanto faz! Até aí, tudo ok!

Mas um dia você abre os olhos enquanto o despertador toca e se dá conta de que você mudou, que aquelas escolhas que você fez aos 18, 20 ou 25 anos não te traduzem mais, você não é a mesma de alguns anos atrás, e isso talvez não seja ruim, afinal, se aos 40 você pensar como pensava aos 20, teria perdido 20 anos de sua vida!

As questões que aqui surgem são:

Como vou mudar o rumo das coisas?

Como posso mudar de profissão?

O que vão pensar dessas mudanças?

Estou sendo ingrata com tudo que conquistei até aqui?

Então tratando de responder esse tormento que alguns de nós enfrentamos, vamos pensar primeiro que o chamado para uma mudança de vida nada tem a ver com gratidão, reconhecimento ou uma insatisfação passageira, mas sim uma mudança interna que pede outras mudanças para que nos sintamos plenos. Não é tarde para mudar, mas é preciso traçar metas e definir prazos para que essa transição ocorra de forma gradativa, segura e com resultados próximos dos esperados.

Vamos pontuar algumas mudanças que certamente tornarão esse caminho mais fácil:

1. Cuide de você! Pense que tudo que vc absorve, seja ouvindo, comendo, comprando, lendo, influi na sua vida. Ou seja, faça as escolhas que você merece e as que precisa. Mude a alimentação, sinta-se como quem dá um presente a si mesma. Gerencie o tempo gasto na internet e se proponha novas leituras todos os dias. Procure deixar para trás aqueles hábitos danosos que de alguma forma roubam tua paz. Se algo é para você, faça com a qualidade que você merece!

2. Responsabilize-se! Por muitos anos eu fui capaz de afirmar que eu trabalhava muito bem sob pressão, até que um dia compreendi que na verdade essa era a desculpa que eu dava para justificar a minha procrastinação. Eu tentava suscitar uma virtude para encobrir um falha que era só minha! E por muitos anos esse hábito roubou minha paz e minha credibilidade. Eu estressava a mim e aos outros, tinha dias que eu pensava que não ia dar conta, e esses “gargalos” eram criados tão-somente por mim. Modifiquei hábitos! Fiz promessas internas, íntimas, pessoais, como não me atrasar, levantar ao primeiro toque do despertador, não acumular pendências, pagar contas com a maior antecipação possível, não deixar tarefas para o fim do prazo, e aos poucos eu fiquei mais serena, confiante e até minha credibilidade aumentou, porque minha imagem não era mais submetida à visão de estresse e correria.

3. Domestique sua ansiedade! Embora isso pareça conflitar com o item anterior, a realidade é que a ansiedade me tornava para os outros alguém que de fato eu nao era por dentro, pois a precipitação me conduzia a uma fonte de estresse posterior. Parei de tomar decisões no calor da emoção e separei as decisões imediatas daquelas que precisam de tempo ou avaliação. Lembro que eu tinha o hábito de pressionar as coisas, fechar negócios diante dos argumentos de um vendedor, achando que seria a última oportunidade para aquele negócio, aquele carro, aquele terreno. Isso minava meus recursos, porque novas idéias me açoitavam nos dias seguintes, mas eu já havia engessado alguma situação. Consiga dar tempo para avaliar todas as facetas de uma decisão.

4. Tenha metas com tempos diferentes! As metas a longo prazo são muito valiosas, mas se tornam extremamente frustrantes quando elas existem sozinhas, principalmente quando um cérebro ansioso as opera. Coloquei minha ansiedade a meu serviço! Estabeleci metas de curto prazo, que me trariam satisfação em pouco tempo. Metas a médio prazo, que me dariam foco e trariam resultados maiores. Metas a longo prazo, que dariam um propósito de vida e uma sensação de vitória quando as atingisse. Enquanto corre o tempo do longo prazo, pequenas realizações de curto e médio prazo dão a satisfação necessária para me manter motivada. Fiz um plano de mudança profissional e reforma íntima para 10 anos. Outros planos estão correndo junto com este, o que faz a caminhada parecer mais curta ou com mais bancos para descansar!

5. Livre-se de culpas! Culpa é um saco de pedras que carregamos sem porquê nem para quê! Atrasam nossa caminhada, nos consumindo muita energia. Eu vivi esse processo de maneira muito difícil porque distribuí e me atribuí culpas, precisei processa-las, verbaliza-las, vive-las, e depois disso as joguei fora. Nesse período me indispus com muitas pessoas que amo e sugiro cuidado nessa fase. Então associe a libertação das culpas com a responsabilização para que você não saia mostrando a conta para todos à sua volta. Culpar os outros é uma forma de fugir de si, culpar demais a si mesmo é uma forma de se vitimizar. Apenas avalie, resolva e jogue tudo fora! Não vamos levar a culpa como carona nessa viagem!

6. Seja grato, mas não escravo da gratidão! Sei que na caminhada da vida, diversas pessoas nos apoiam. Muitas oportunidades nos conduziram até aqui. Alguns empregos que nem gostávamos tanto, pagou nossas contas e pôs comida em nossa mesa. Sejamos gratos até pelo que deu errado, mas não escravos disso. Quando estiver enfrentando uma mudança muito grande, e a sua insatisfação estiver te consumindo, use a gratidão para continuar. Uma nova formação profissional precisa ser custeada, e no trabalho antigo você precisa ainda dar o melhor de si. Pense apenas no positivo do agora e do futuro, e dará tudo certo. Se começar a elencar os motivos de não estar mais feliz ali, criará uma bomba emocional que pode por tudo a perder. A vida é uma escada, não se alcança o milésimo degrau sem ter pisado nos outros 999, e pular degraus é sempre prejudicial para os joelhos, eles farão falta quando você estiver cansado de subir um a um. Poupe-se da frustração! Pratique a gratidão! Saiba deixar para trás quando necessário!

7. Fale menos, ouça mais! A dica está aqui, mas pessoalmente eu ainda tenho tentado descobrir como! Mas reduzir a quantidade de informação que você dá é algo estratégico. Somos julgados e perfilados o tempo inteiro, tudo em nós fala, desde a cor do batom até a escolha do sapato. Permita que as pessoas não tenham certezas demais sobre sua vida pessoal, não se queixe, não lamente, não se exponha. Torne-se blindado através da discrição, da sutileza, da elegância do ser simples, sem excessos!

8. Corte os excessos! Isso vale para tudo, carregue menos peso na caminhada. Corte o excesso de comida, de roupas, de sapatos coloridos demais, daquela risada escandalosa, dos gestos amplos demais, das reclamações, dos compromissos desnecessários. Deixe os excessos para os momentos pessoais e íntimos. No trabalho, na vida acadêmica, nos projetos, seja polido, necessário e nada mais. Isso traduz uma elegância inimaginável! Na sua vida pessoal, tome cerveja pelo fundo da lata, use o batom mais vibrante, pinte as unhas de azul com adesivo de panda, use camisa florida tipo turista do Havaí, e administre sua postura profissional e privada. Isso não é ser falso ou performático, isso é ser profissional e inteligente! Cada situação exige uma postura diferente, saiba se-lo!

9. Chore no banho, não em público! Não se exponha com todas as suas fragilidades. É possível ser um excelente ser humano sem desnudar-se desta forma publicamente. Infelizmente a sensibilidade é muito confundida com fraqueza, não permita que essa seja a sua estampa. É possível ser respeitado e reconhecido como um excelente ser humano, solidário, cooperativo, sensível, sem parecer fraco e descontrolado. Chore no banho, grite, diga os maiores desaforos, mas saia de sua casa inteira, firme e recomposta.

10. Seja humano! Jamais, em hipótese alguma, seja indiferente, cruel ou arrogante! De nada vale o sucesso profissional e financeiro se você não tiver alcançado o patamar de bom ser humano! Seja leal, assertivo, franco, mas jamais grosseiro.

11. Seja bom ouvinte! E também conselheiro, ponderado, mas jamais extremista. Lembre-se sempre que toda pessoa tem uma história de vida, uma infância que você desconhece, traumas pessoais frustrações, vitórias, e que isso pode dar a elas uma interpretação totalmente diferente da sua. Não faca juízo moral apenas pelas escolhas dos outros, você não sabe o que as levou até ali. As ideias iguais te fazem ficar onde está, mas as ideias diferentes podem te mover, valorize essa possibilidade quando encontrar alguém totalmente diferente de você!

12. Resolva-se amorosamente! Se você tem uma história complicada, que te impede de ir em frente, tome uma decisão! E tanto faz se você decide ficar ou ir embora, mas decida-se a assuma. E lembre-se que sua mudança pode afastar pessoas e atrair outras, esteja preparado para perder e ganhar ao longo da caminhada. Quando você não for mais a mesma pessoa de agora, alguns vão te amar mais, outros podem se desinteressar, assuma esse risco!

13. Marche! Essa dica é a mais valiosa! Não importa se seus pés doem, se acabou o dinheiro, se você tem vontade de chorar, se o plano B deu errado ou se você tropeçou em alguma dica anterior, apenas marche! Quando não souber pra onde ir, marche! Quando tiver certeza, aperte o passo, apenas não pare de ir em frente! E se estiver cansado, perdido, sem rumo, escolha uma direção e vá em frente, ainda que não te leve aonde gostaria, pode te tirar de onde não te servia mais! Apenas marche!

Separada, superada, sem parada! Apaixonada novamente Dois filhos terríveis e lindos Buscando autoestima e autoconfiança Professora e aprendiz, sempre!